Desvendando mitos sobre a Agricultura de Precisão

Calma!!! Esse artigo não serve para “sentar o laço” na agricultura de precisão não, muito pelo contrário. Vamos desvendar alguns mitos que te ajudarão a ter um melhor rendimento utilizando esse método... Ou não.

Como você já lida com o dia a dia no campo, eu não preciso entrar em detalhes sobre o que é isso, né? Qualquer coisa tu dá um Google aí. Enfim, vamos lá!

 

1- A minha propriedade é pequena e eu não preciso de agricultura de precisão. Verdade ou mito???

MITO!  Qualquer propriedade pode ter variações que influenciarão diretamente na sua produção.  Inclusive um pequeno agricultor pode ter memorizado dados extremamente relevantes sobre sua fazenda, como variação de temperatura, produtividade, umidade, enfim. Vai fazer a diferença, professor??? Certamente vai!

 

2- Ah, mas isso daí só dá certo pra soja e milho. “Verdad o mito”?

MITAAAAAÇO! Respondendo com outra pergunta: Se é uma coisa boa, por que é que vai ser ruim? Tá, não deu tão certo assim. Mas você pode ter excelentes resultados com qualquer cultura que dependa de duas variáveis: clima e solo. Próximo!!!

 

3- Só que me falaram que não precisa usar em todas as propriedades. Verdade ou mito?

Verdade!!! Só usa se precisa. Se tua propriedade ou a propriedade de seu cliente apresenta um padrão parecido em todos os pontos ou com pequenas diferenças, pra que tu vai gerar custos adicionais usando agricultura de precisão? Vai na tradicional que vai dar boa! Próximo!!!

 

4- Mas agricultura de precisão é cara, pois preciso ter muita tecnologia aplicada. Mito ou Mito?

MMMMMMITO!

Como já disse acima, tem propriedades que te possibilitam ter em mente as principais variáveis para aplicar a agricultura de precisão.

O olhar do produtor e do técnico podem produzir dados sensacionais. É só sujar a botina! Descobre o local com maior umidade, o local mais quente, que talhão está produzindo mais, em que lugar as plantas tem a melhor coloração, entre vários outros aspectos. Entra na roça, meu amigo! Ninguém te substitui!

Logicamente existem tecnologias que te auxiliam mesmo entrando na roça, viu? Entra lá, faz tua parte, registra tudo e pá! Toma tua decisão! Deixa gravado, tu vai precisar comparar depois...

Uma boa ferramenta tecnológica é uma ferramenta que facilita o trabalho a campo. Para os técnicos, antes de aderir é bom prestar atenção em alguns pontos específicos: tempo excessivo de preenchimento, falta de praticidade, falta de integração com versão para computador (ninguém merece sempre ter que buscar dados na telinha do celular), registro obrigatório de pontos irrelevantes (não quero preencher, mas se não preencher não passa pra outra tela... Pronto! Tu não se manda mais!).

Se o acesso à ferramenta te limitar mais do que tua agenda, você precisa de outra ferramenta. Só não vai ficar insistindo em deixar informação perdida no papel... Essa época já era.

Vai ter coisa nova no mercado e eu vou manter vocês informados aqui pelo AZ Agronômico. Sem viés comercial, mas com dicas valiosas, assim seguimos!

Abraço, meus queridos! Sigam firme!

 
 
Colunistas

Vinícius T. Franceschi

Possui graduação em Engenharia Ambiental e mestrado em Agroecossistemas pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Desenvolveu a nova escala diagramática para a quantificação da severidade de ferrugem asiática da soja, composta por 10 níveis e imagens reais (resumo publicado e artigo aguardando publicação). Atualmen...